By (Ana) Lou de Olivier publicando hoje a verdade de amanhã
 Lou de Olivier - Psicopedagoga, Psicoterapeuta, Especialista em Medicina Comportamental, Bacharel em Artes Cênicas e Artes Visuais. Precursora da Multiterapia e Criadora do Método Terapia do Equilíbrio Total/Universal.
Detectora do Distúrbio da Dislexia Adquirida/ Acquired Dyslexia.
É também Dramaturga e Escritora (vários gêneros).  
   Casa      introducao
INTRODUÇÃO:
Quando o cérebro sofre qualquer tipo de privação, que seja vital para o seu funcionamento (falta de glicose, falta de oxigênio, etc), sofre alterações. Quanto mais tempo permanecer a privação, mais grave a lesão, que desenvolve-se da seguinte forma
:

A- Confusão mental: Afeta a camada de associações.
B- Alterações sensitivas: Alucinações visuais, cinestésicas, etc.
C- Distúrbios motores : Desde incoordenação motora leve até convulsões.

Após estas três fases, se a privação continuar, gerará lesão grave, destruição dos tecidos, restando em funcionamento o hipotálamo, medula e córtex. E esse processo é irreversível.
Na seqüência, sem atividade cortical, o indivíduo passa a vegetar até a morte.

A diminuição da oxigenação no cérebro denomina-se Anoxia (ou para alguns autores, Hipóxia) e ocorre na criança principalmente na hora do parto (por causas como: Parto cesariana, parto prolongado, hipertonia, rotura prematura da bolsa das águas, anemia, asfixia materna, etc)
Algo entre 30 a 60 segundos de asfixia pode lesar irreversivelmente o cérebro de um recém nascido.
Em casos menos graves, gerar autismo, dislexia, discalculia e outros problemas de aprendizagem, que poderão comprometer toda a vida escolar da criança.
OBS: Alguns autores aceitam os limites anóxicos variando entre 30 segundos e 3 minutos, mas, para Cole (1942), a primeira inspiração deve ocorrer dentro de 2 segundos, o choro deve ocorrer após 5 segundos e a respiração deverá regularizar-se 10 segundos após o desprendimento da cabeça.


A demora de 30 segundos já seria excessiva.
Parte integrante da pesquisa de Lou de Olivier publicada em 1997 no Brasil e Europa. Permitida a utilização deste texto citando-se a fonte, autoria e anexando este deste link.
Leia ao lado os sinônimos mais comuns
Este site integra o Portal Lou de Olivier
SINONÍMIA (Sinônimos)

Anoxia: Hipóxia: Apnéia: Asfixia: Leia as definições a seguir:
Acesse todo o conteúdo já pesquisado e publicado por
Lou de Olivier
em seu portal:
 
www.loudeolivier.com
Aguarde novidades

Aguarde novidades
Aguarde novidades

Este site integra o Portal Lou de Olivier

SINONÍMIA (Sinônimos)

Anoxia: Ausência de oxigênio no corpo ou oxigenação insuficiente para suprir as exigências metabólicas normais (Hipóxia).

Hipóxia: Diminuição (queda) de oxigenação, de forma a tornar-se insuficiente para suprir exigências metabólicas normais (Anoxia).
Este termo é considerado mais preciso, pois sempre há um certo grau de oxigenação.
Apesar disso, o termo ANOXIA ficou consagrado, mesmo não exprimindo completamente o fenômeno.

Apnéia: Cessação de respiração por qualquer causa.


Asfixia: Etimologicamente significa "falta de pulso", mas, segundo relatório da Comissão Especial de Mortalidade Infantil da Sociedade Médica de Nova York, sobre a ressuscitação de recém - nascidos (1956), o termo asfixia significa anoxia e retenção de CO2 resultantes da queda de respiração

Os ingleses referem-se à anoxia como "fetal distress"; os autores espanhóis preferem o termo "sufrimiento fetal".

Saling (1969) menciona hipóxia pela sua manifestação mais importante, que é a acidose.

Delascio sugere o termo anoxia perinatal, pois as manifestações pós-natais, segundo ele, são apenas continuação do problema.

Lima (1940) fez comentário bastante expressivo, dizendo que o prefixo "a" em termos médicos expressa diminuição e não ausência. Como exemplo temos: anemia = diminuição da hemoglobina do sangue circulante, arritmia = qualquer variação no ritmo normal das contrações cardíacas, aplasia = desenvolvimento incompleto ou deficiente de qualquer parte do organismo e, seguindo este raciocínio, obviamente, anoxia significa diminuição da oxigenação e não ausência de oxigenação.


Parte integrante da pesquisa de Lou de Olivier publicada em 1997 no Brasil e Europa. Permitida a utilização deste texto citando-se a fonte, autoria e anexando este deste link.
Leia a sequencia desta pesquisa clicando aqui: Material e Metodos